Tudo o que você sempre quis saber para trabalhar na Austrália
11 de fevereiro de 2016
Tudo o que você sempre quis saber para trabalhar na Irlanda
11 de fevereiro de 2016
Ver todos

Tudo o que você sempre quis saber para trabalhar na Nova Zelândia

A Nova Zelândia é conhecida pelas suas paisagens sensacionais e pelas atividades radicais que são oferecidas no país, mas você sabia que se for fazer um intercâmbio de estudos na Nova Zelândia você também poderá trabalhar por lá?

É importante que você confira em primeiro lugar se a escola onde está se matriculando é uma escola categoria 1, pois na Nova Zelândia há uma organização chamada NZQA (New Zealand Qualifications Authority) que classifica as escolas de idioma conforme a qualidade de cada uma, veja como essa escolha pode repercutir na sua vida:

Para as escolas categoria 1, é necessário:

  • matrícula num curso com 14 semanas ou mais de duração;
  • o curso deve ser em período integral, ou seja, mínimo de 20 horas de estudo por semana;
  • não é necessário comprovar o nível de inglês.

Para as escolas categoria 2, é necessário:

  • matrícula num curso com no mínimo 6 meses de duração;
  • o curso deve ser em período integral, ou seja, mínimo de 20 horas de estudo por semana;
  • necessário apresentar nota 5.5 no IELTS.

Além da matrícula no curso, tem outros requisitos?

Sim, os demais requisitos são:

  • Comprovar recursos financeiros para a viagem;
  • Se submeter a exames médicos com profissional credenciado pelo Consulado Neozelandês;
  • Separar documentação (requerimentos preenchidos e documentos comprovatórios das informações prestadas);
  • Providenciar (pelo menos) visto de trânsito pela Austrália (grande parte dos vôos fazem escala no país).

Existe um tempo máximo de permanência no país?

Sim, para esse tipo de visto o período máximo de permanência é de 12 meses estudando.

O aluno sai do Brasil com a vaga de emprego garantida?

Não, o aluno sai do Brasil com um visto que permite que ele trabalhe legalmente na Nova Zelândia, entretanto, a conquista da vaga dependerá exclusivamente dele. Geralmente as escolas auxiliam no sentido de ajudar na formatação do currículo e na procura da vaga.

Quantas horas eu posso trabalhar legalmente na Nova Zelândia?

 

 

Durante período de estudos

 

 

Até 20 horas por semana

 

Após término do período de estudos

(mês de férias)

 

 

Período integral

O visto para estudante internacional com permissão de trabalho demora em média uns 50 dias corridos para ficar pronto. Para os alunos que quiserem apenas estudar por até 3 meses não há necessidade de visto.

Quanto eu posso ganhar trabalhando na Nova Zelândia?

O valor mínimo da hora trabalhada na Nova Zelândia é de NZ$ 12.00, como o permitido é trabalhar 20 horas por semana, o valor mensal seria de aproximadamente NZ$ 1,200. No período de férias (não tem a restrição de horas), supondo que o aluno trabalhe o dobro, o valor seria de NZ$ 2,400. Se convertemos para REAIS (taxa de 2.97) o valor varia de R$ 3.564,00 a 7.128,00.

Qual a minha previsão de gastos na Nova Zelândia para me manter sozinho?

Como o curso já precisa ter sido quitado antes do embarque supondo-se que as despesas envolvam acomodação, alimentação, lavanderia, telefone e transporte, esse valor giraria em torno de NZ$ 800 por mês, ou seja, R$ 2.376,00 / mês.

*** Importante: todos os gastos são estimados, o valor depende do estilo de vida e consumo de cada um.

O meu cônjuge poderia me acompanhar?

Infelizmente o visto de trabalho concedido para estudantes em escolas de idiomas não permite estender o visto de trabalho ao cônjuge, isso somente é possível para alunos que ingressem num curso de graduação ou superior (nesse caso o cônjuge poderá trabalhar em tempo integral desde o início).

Para alunos internacionais que ingressem num curso Diploma (cursos mais técnicos com duração de 1-2 anos), o visto de trabalho não é concedido durante o período de estudos do aluno, ou seja, somente após a conclusão desse curso Diploma tanto o aluno como o seu cônjuge serão elegíveis ao visto de trabalho.

COMPROVANDO RECURSOS FINANCEIROS PARA APLICAR PARA O VISTO:

Após a matrícula do aluno numa escola neozelandesa e o recebimento da sua Carta de Aceitação vem a parte do processo mais delicada e burocrática digamos assim.

Para te auxiliar com essa parte do processo o mais indicado é contar com a ajuda de uma profissional experiente na parte de vistos pois um documento não apresentado ou uma informação inconsistente pode por tudo a perder, e claro que você não quer perder todo o esforço feito até então só para economizar os R$ 350,00 que esse tipo de consultoria costuma cobrar não é mesmo?

No geral, a maioria das pessoas que tem o visto reprovado peca em 3 aspectos:

  • Não apresenta o valor necessário para o tempo de permanência que pretende ficar.

Já ouviu aquele ditado: “nunca conte com o ovo antes da galinha botar”?, pois é, esse ditado cabe exatamente aqui: nunca para efeitos de documentação deve-se considerar o valor que você vai receber trabalhando lá. O Oficial que vai analisar o seu pedido precisa ter certeza que você tem como se manter lá fora independente do trabalho que você vai exercer no país. Se for o caso apresente uma Declaração de Suporte Financeiro dos seus pais / cônjuge / irmão(ã) informando que essa pessoa irá te ajudar financeiramente caso você precise.

  • Não apresenta vínculos convincentes com o Brasil.

Aqui entra mais uma vez o auxílio de um consultor especializado, pois cada caso deve ser analisado cuidadosamente para apresentar os vínculos mais consistentes possíveis.

Os vínculos mais fortes são: família, emprego ou alguma empresa na qual você tenha participação, faculdade que você tenha “trancado” para continuar depois, etc…Tenha em mente que você precisa demonstrar para o Oficial que você vai voltar para o Brasil quando o seu programa de estudos terminar.

  • Apresenta informações incoerentes ou até falsas.

A pessoa muitas vezes comprova tudo o que é exigido mas coloca informações contraditórias no processo, como por exemplo: dá entrada no processo antes de sair do emprego mas deixa de juntar no processo alguma declaração da empresa informando que o contrato de trabalho ficará suspenso até que o funcionário retorne, pior, tempos depois a pessoa deixa o emprego – como já estava nos planos dela fazer – e começa a receber seguro-desemprego ou algo do gênero (algo que possa ser acessado pelo Consulado).

É importante que o Consulado não tenha dúvidas do seu objetivo na Austrália, se for o caso, vale até mesmo escrever uma cartinha de intenções para contar os seus objetivos.

Quanto eu preciso comprovar de fundos para ter o visto concedido?

Em média é necessário comprovar por volta de NZ$ 1,300 por mês que se pretende ficar no país. Tal valor pode ser comprovado mediante: extrato de conta corrente, imposto de renda, comprovantes pró-labore, extratos de aplicação financeira, valores disponíveis em cartão de crédito, etc…

Obviamente que quanto maior liquidez tiver a comprovação financeira, maior a chance do seu visto ser aprovado sem qualquer problema.

* importante: na entrada no país o aluno também precisa apresentar a passagem aérea de retorno para o Brasil.

 

Mercado de Trabalho na Nova Zelândia:

Quanto maior o nível de fluência no idioma, obviamente maiores serão as chances do aluno conseguir uma boa colocação de trabalho no país, entretanto, em função até mesmo do tempo permitido de horas de trabalho e da Nova Zelândia ser um país forte na área turística, o mais comum é que o aluno consiga posições de trabalho na área de serviços como por exemplo: trabalhos em Coffee Shops, Pubs, Restaurantes, etc…

Outra área que costuma recrutar na Nova Zelândia é a área agrícola.

Os sites mais utilizados para a procura de emprego na Nova Zelândia são os seguintes:

www.sjs.co.nz/

www.seek.co.nz

www.trademe.co.nz/jobs

http://www.myjobspace.co.nz/

http://www.workpool.co.nz/

A Nova Zelândia é o seu sonho? Comece hoje mesmo a planejar sua viagem!